Another 5 old school RPGs

(wordpress is being an ass so I’ll put pictures later)

Jello! Since last entry I’ve played a handful of excellent and not-so-excellent RPGs on my PC and my trusty Sony PSP. I swear buying the handheld was the best thing I’ve ever done. The fact it emulates pretty much every non-128 bits systems previous to itself is a marvel of technology (and hacking).

Golden Sun

Ah, Golden Sun :) Its very name strikes joy unto my heart. You take the role of a young boy named Isaac. He lives in the village of Vale, at the foot of Mount Aleph. Atop the mountain lies the Sol Sanctum, a shrine dedicated to Alchemy. Alchemy is the game’s equivalent to magic and those capable of wielding it are called Adepts. Alchemy is divided in Earth, Fire, Wind and Water and everything is composed of a combination of them (cool story, Empedocles). Every Vale citizen is an Adept and every Adept has an innate element, which determines one’s strengths, weaknesses and affinities. Earth is weak defensively and strong offensively against Wind, the same is true for Fire and Water.

In ancient times, Alchemy had been sealed from the world, deemed a source of corruption and destruction. No one barring Vale’s resident’s can wield Alchemy anymore. Or so they thought. Isaac, his friends Garet and Jeena and Kraden, Vale’s resident bookworm, sneak in Sol Sanctum looking for adventure but shit hits the fan very fast and Isaac has to part in a quest to save the world from being destroyed. He has to prevent the four elemental Lighthouses from being lit. If it happens, the seal on Alchemy will be broken and that would spell the doom of the world.

In his deeds he meets magical creatures called Djinn (singular: Djinni). Each Djinn is of one of the four elements and can be equipped  to the characters similarly to weapons. They are the cornerstone of Golden Sun and a very fun feature to screw around with. Each Djinni enhances the character’s stats a little in a different way and the combination of them may change the character’s class. This is the single most important aspect of the gameplay. Mixing and matching different Djinn yields different classes, different stat bonuses and different types of Psyenergy. Oh, Psyenergy is Golden Sun for spells. It is crucial to experiment and exhaust every possibility before you settle on a class and Djinn spread (or, you know, giving up and going to gamefaqs). Having access to many types of Psyenergy is important because it gives more flexibility and options to your party. Also, the strongest classes are those that mix different types of Djinn, most of the time Djinn different from the character’s innate element. You may have Isaac, an Earth Adept, hold only Earth Djinn but his stat bonuses will be low and his Psyenergy will be limited to Earth and healing spells, albeit very powerful ones at that. Superstar classes such as Samurai offer a much varied Psyenergy array and many times they will be as strong or stronger than those of the base classes. Moreover, the stats bonuses of the special classes are much, much higher.

There are 28 Djinn scattered in the game, 7 for each element. They may be find in towns, caves, towers and some on the very overworld. Don’t worry, there’s no way you can miss one permanently. Each one can be “Set”, that is, equipped, or put in “Standby”. A Set Djinni applies its bonuses to the character and may change his or her class. Also, it can be Unleashed in battle for a unique effect. For example, the Earth Djinni Flint, the first one you encounter, performs an Earth-based attack on one enemy. There are many other possible effects such as HP restoration, removal of status ailments, Attack up and invulnerability for one turn. When the Djinni is Unleashed, it goes to a Standby state and the character loses its bonuses and may revert his or her class. However, and this is the best, you can use Djinn in Standby to Summon powerful creatures. The Summons are the most potent attacks in Golden Sun, no questions asked. Up to four Djinn of the same Element can be used for a Summon at once and the results are exhilarating. Once used in a Summon, the Djinni enters a “cool-down” state in which it can’t be take part in a Summon, be Set or Unleashed for a few turns. Once it is over it is automatically Set. A Djinni in Standby may also be manually Set during battle but that costs the turn for the character.

To sum it up: find the Djinn, fidget with them until you settle on a class combination across your party, ????????, profit. Unleash them in battle for their powerful effects or start with them in Standby to use the Summons as soon as the first turn. Just don’t forget that a character without Djinn is relegated to the weaker classes and may very well be killed by a boss or strong enemy in case the first onslaught doesn’t get rid of them.

Another very fun aspect of the game are the puzzles. Every now and again you will be required to use your Psyenergy and brawl to solve clever enigmas in order to proceed or acquire a Djinni. A good deal of the game is spent solving puzzles. Never a dull day. Some Psyenergy are used solely for this, which is the case of Move, used to move shit around, while others can also be used in battle, like Whirlwind (this one blows… leaves away). Again the classes thing comes into play because certain Psyenergy can only be obtained by certain classes. This isn’t a nuisance most of the time but it’s something one should not forget.

The battle system is very straightforward and doesn’t bring much new to the table save for the Djinn. One thing worth noticing and quite possibly the lesser of the game’s two true flaws is that a character automatically defends in case she/he was set to attack an enemy that isn’t there anymore. I mean, seriously, Camelot? Since when is there anything wrong with attacking the next enemy? Some weapons have a dormant spirit or something that may kick in when you attack and deliver a stronger than normal attack that may have a special effect like sleep or poison. Good luck figuring out whether a weapon with an unleash possibility should be used over another with higher attack but no unleash.

Golden Sun has fantastic music, composed by Motoi Sakuraba, who also scored Star Ocean, Valkyrie Profile, some Tales titles and Baten Kaitos. The man is good.

Great Djinn system and its treasure hunt, fun puzzles, good difficulty level, quality music, exciting battles, an optional dungeon and its optional, kick-to-the-head-difficult boss. In case I haven’t made myself clear, Golden Sun is an awesome game. I beseech you to play it. Now.

Golden Sun 2: The Lost Age

:tears:
This game is everything Golden Sun is, only much bigger and better. I mentioned Golden Sun having two flaws. The second one is that it is somewhat short. Golden Sun 2: The Lost Age (hereinafter referred to as TLA) remedies that being twice as big as its predecessor. TLA picks up exactly where the first game ended and expands the adventure to the remaining parts of the world. Many questions left unanswered are addressed here while plenty of others also arise.

First things first, in order to enjoy TLA to its utmost, you will want to transfer the information from the Golden Sun save before starting this one, either by link cable or a password. Physical transfer is hard to do because it requires a link cable and TWO GBAs, which is kinda fucked up but still way better than typing a 180-ish characters password (no joke) the first game generates. Still, this is only required if you wish to 100% it. Money, experience points, levels, items and, the actually important thing, every Djinn is transferred to the second game but won’t come into play until much further into it.

The world is at least thrice as big as the first game’s. This is not an overstatement. Therefore, exploration plays a very big role in TLA. From optional dungeons to Djinn hunt to a Zelda-like item trading chain side quest, every nook and corner of the world should be scrutinized.

Speaking of that, now you can travel the oceans! Almost all of the world becomes available once you do that, which doesn’t necessarily mean you can explore everything as of yet. Almost all areas require a specific Psyenergy to enter or to reach its deepest halls, a Psyenergy that may take several hours of gameplay to get. While most of these locations are optional, one would do well in exploring them for they often hold a valuable item or a Djinn.

Every mechanic of the first game holds true for this one. There are more Psyenergy to solve the now harder puzzles, many more locations to visit and many, many more Djinn. TLA brings 44 new Djinn that added up to the original 28 raise the total to a whopping 72. It is kind of a chore to amass all of them, let alone transferring the first 28, but there’s a dungeon that is accessible ONLY if you have all of them. It houses what is considered by most the hardest boss in the game and the unarguably most powerful and broken Summon. The Summons have been expanded upon by means of the Tablets. Tablets are slabs of stone that teach how to combine Djinn of different elements in Standby for even mightier Summons. Some of these Tablets are guarded by bosses but are very well worth the effort.

Again, Motoi Sakuraba delivers a great soundtrack to match the greatness of the game with a few tracks from the first one. When you are done with Golden Sun don’t forget to get your hands on the OST.

Rounding it all up are Sunshine the blacksmith, many challenging optional dungeons, new antagonists and plot twists. If you liked Golden Sun you have no excuse not to play the sequel.

Final Fantasy

EH! The NES version of the first episode of Square’s seemingly endless saga will make your head spin. Forget trifle facilities such as saving at will, item description at shops or helpful NPCs. You have no idea where to go, you don’t know what items do, resting at Inns doesn’t heal status ailments and no, you can’t carry any more items.

The sheer lack of information within the game catapults it one or two notches in difficulty. That isn’t to say it is terribly hard by itself. No sir, with a combination of good party members and some level grinding, it is possible to breeze through the game like it is nobody’s business… if you know where the fuck you are supposed to go. I wonder who can equip this weapon… let’s buy it for an arbitrarily large amount of money and find out it sucks. Now, I firmly believe that most relevant information is contained on the game’s manual but I obviously don’t have one. Another important point is how buggy the game is. Many spells don’t work the way intended or don’t work at all, special effects of equipments don’t apply and even one of the classes is bugged.

The game is a quest of the four Light Warriors trying to purify the four Orbs that represent the four elements. At the beginning of the game you choose the class of each character and their names. The classes are Fighter, Black Belt, Thief, Red Mage, White Mage and Black Mage. If you have no idea of what they represent you will probably do like me and pick two mages and other random two. Terrible idea, the mages are horrible in this game.

Allow me to enlight: they are weak of body and have barely any MP. The MP here are called Spell Charges and there are 8 levels of Magic, each one with its own MP. Nothing you shouldn’t be familiar with, some other great titles, like Grandia, use a similar system. The one problem with Spell Charges is that. They. Are. Just. Too. Few. Even at very high levels the MP spread of a Black Wizard (the upgraded Black Mage) is something like 12/11/9/7/6/5/3/2, which, I fear, is not nearly enough for a 2-3 hours long dungeon and its over one hundred battles. No, you can’t restore MP either, the only two items that do so cannot be used indoors. The Red Mage has even less MP but his other stats are decent at least.

Magic is divided in Black and White. Black aligned mages can only use Black magic and likewise for White. The Red Mage can use most low and mid level magic but not the latter spells, which doesn’t matter anyway since he has very few Spell Charges on the highest levels and the only to be missed is the resurrection one. What is more, the equipment of the Black and White mages suck rat dick. So, most of the time, the Black and White mages will use physical attacks for a feeble 1 damage while praying they don’t die. Not good enough. At least the Red Mage has better equipment and can hope to do some hurt.

Oh, you have to buy spells. Fuck. And they are EXTREMELY expensive. Fuck. And shops offer no description of them. Fuck. And you can only have 3 spells per level. Fuck. And once you buy one you are stuck with it for the rest of the game. Fuck.

The other classes, Fighter, Black Belt and Thief are all okay but in the end it comes down to Fighter versus Black Belt. The first has superb HP, Attack and Defense and can equip almost everything in the game. On the other hand, he is somewhat expensive to maintain. The Black Belt is stronger than the Fighter, scores more hits, deals more critical hits and needs no weapon. His downside are his mage-sized defenses and that he cannot wear most armor. And his upgraded version is bugged, though it can be circumvented, somewhat.

At first I probably went with Black Mage, White Mage, Fighter and Black Belt then got mopped and switched to Fighter x 3 and Red Mage, which is probably the best party as the Fighter is nigh invincible and the sole Red Mage provides the little magic you will ever need.

I am still not sure of what the on is going fuck on the battle screen. The turn order is random, I swear to all of your Gods. That alone throws any whiff of strategy out the window. When the target dies or flees before someone takes action, you get an “Ineffective”. No, not even a “Defend”. There’s no defend command. Some equipment can be used in battle but of course nowhere in the world, save gamefaqs and possibly the game’s manual, it is said which ones they are and what they do. It is trial and error.

Speak of items, there is ONE healing item for a laughable 30 HP. Better start to stockpile them now for you shall need each and every last one of them. This and the Antidote, for Poison, are the only items that can be used in battle. The other status effect is Stone, which basically means you are dead but it can be healed with Soft. There’s no revive item. There. Is. No. Revive. Item. Fuck. When someone dies you have to take the party to a Clinic and pay for it. Fuck.

Battles are random and happen literally everywhere save inside towns and flying (more on that in a minute). Some tiles inside dungeons are rigged and always bring the same enemies. Some of them are very exploitable for level grinding. The enemies generally are nothing exceptional. If you must, gaining levels doesn’t take that long in this game, actually. There are, however, some particular enemies that are a pain to deal with, i.e., those that can petrify or instant kill you. And these buggers are always deep inside a dungeon. A few of the bosses are brutally strong too and can wipe out any warrior in one hit or even the entire party in two or three turns. Thank heavens there are a very few precious equipment that can be used to heal or else I think I’d still be level grinding in this game (it’s been months since I beat it). The last dungeon in particular is murder.

Anyway, still it is not that hard of a game. The many limitations of the engine are roadblocks that can be dealt with after you get used to them. At worst, all you have to do is to level grind more to be able to advance.

Leaving the gameplay aspects aside, the developers went wild with their imagination here (remember the year was 1987). There are various locations to explore and various different people and enemies. You get to know men, elves, dwarves, fairies, mermaids; you visit highlands, plains, caves, castles, deserts, forests, the bottom of the sea,  the space and the past. You travel on foot, canoe, ship and flying vessel, vehicles that would become staple of the series. The music is fine though you get tired of the battle theme after the 203894289341st time.

In conclusion it is a fair little game and is worth a shot if you want to know the grandsire of the FF hype of today. If you don’t want to go through all the bullshit I forced myself to, there’s always the GBA, PSONE and PSP versions though they are dumbed down and, sorry, don’t evoke the nostalgia the NES version does.

Final Fantasy II

Think of everything you learned in Final Fantasy one. Now lobotomize it. The second game is a ghost from another world.

Following the success of the first game, Square quickly made a sequel but for some reason threw almost every mechanic from it to the winds. I played the GBA version – couldn’t find a translated NES version – and therefore some points may be different from the Famicom but bear with me.

Imperial forces are wrecking havoc on the country and a group of youngsters, Firion, Guy, Maria and her brother Leon stand up against them. They are utterly crushed but are rescued at the last instant. They wake up in the king’s refuge to find Leon is missing. Basically you fight to take the country back from the imperial forces and find Leon.

Levels are gone. You don’t level up. Instead stats gain bonuses as they are “used”. That is, Attack will upgrade as you use physical attacks, HP will grow as you are attacked and so on. Weapons and spells have individual levels too and increase as you use them. I guess the designers intended this to make your party customizable or to perhaps apply some real world logic to the leveling system. In the end, all they got was an extremely abuseable one.

There are no classes. All characters can equip all weapons and all armor save those specifically for men or women. All spells can be used by everyone. It is nice that again you can customize your party every way you want but this robs each character of identity. While the three initial characters have different stat spreads and seemingly different growth rates for some stats, it is no challenge at all to turn each into whatever class stereotype you want. Heck, you can even make everyone good at everything. At least they are not silent and have faint traces of personalities.

There are 7 weapons: swords, knives, axes, staves, bows, spears and shields. Each one levels up individually as you use them. You may have one weapon or shield equipped to either hand but as a rule of thumb you want to hold two weapons if not to deal more damage at least to level them up faster. Only the bows are two-handed. As they gain levels they become more accurate, deal more damage and deal more hits. If you like to cover all bases like I do, you will probably get all weapons of everyone to a decent level because hey you never know when you will find an awesome sword! It is not necessary, really.

Spells level up likewise weapons and, again, all characters can have all spells. You buy them in shops and sometimes find one in a dungeon or an enemy drops some. There are Fire, Ice, Earth, Wind, Cure, Light and Void spells. Several enemies are resistant, susceptible, immune to or absorb certain types of magic. They may be directed at one single enemy or the entire enemy party for smaller damage.

Added to the battle screen are the front and back rows. The back row provides a great deal of extra defense and evasive at the expense of being unable to deal damage outside of using bows and magic. Also, the enemy can’t hit someone on the back row unless they too use magic or arrows or they fell whoever is in the front row first. You must always have at least one character in the front row. Enemy parties also have a back row of sorts. Since they come in bands of up to 8 critters, the first 4 are sort of a first row. This applies even if there are less than 8 enemies.

The leveling system is broken. And for a very simple reason: you can hit your own party. This means you can beat yourself near dead with either brawl or magic, restore full HP, MP and repeat. There are also some glitches I was not aware of when I played that make this even more exploitable. It is easy to get very high weapon and magic levels early in the game.

Moreover, the Toad, Mini, Warp and Teleport spells are broken. The first two incapacitate the enemy almost completely while the latter two are instant kill. Why are they broken? Because they have 50% accuracy. Just in case you are an idiot, 50% accuracy is GIGANTONORMOUS for an instant kill or severely debilitating spell. But wait, it gets worse: they affect all enemies. I mean it. Even the last boss. Fuck, even the last fucking boss is instant killed.

Ironically, I didn’t know that. I just assumed bosses would be immune to instant kills and didn’t bother to level those spells up. Teleport and Warp specially because as a spell levels up they cost more MP. I beat every boss legit and even then I found the game to be rather easy. Except for here and there “You cannot pass!” areas with stupidly stronger enemies, nothing really posed a challenge. Mayhap the NES version is harder or the game offers a challenge if you don’t abuse the level system (which, frankly, requires you to be a Monera to not figure out how).

That said, there ARE some enemies that are a pain in the rear. In high regard are the latter undead and vampires that seem to deal damage based on your maximum HP rather than stats. I’ve consistently taken 2000, 3000, even 5000 damage from physical attacks of those maggots. Also the leeches that drain all your MP in one turn. Fuckers. A few bosses and the last one are annoying, too.

This game also features a canoe and an airship though the latter is limited to fixed travels. Also, it marks the first appearance of recurrent characters Chocobo and Cid, which are redeeming qualities I guess. There are a few cool places to visit like the dark world and the belly of a sea creature. Which somehow had land worms in it. Eh. There’s also a Wyvern that you can use to fly freely, a nice touch actually.

And people die here. The good people. Party members. And that is hell. Weeee what a cool character let me give him good weapons and spells and train him for hours. Bam, dead.

All in all, I think it is a weak game with an undeveloped level system. Square tried to fix what wasn’t broken and, humorously, came up with a very broken engine. While it actually makes sense from a real world point of view, it didn’t quite work out inside a cartridge. That isn’t to say it was a bad idea in itself, I think it lacked further tweaking. I am sure some younger RPG out there did something similar, hopefully to a higher degree of success.

Final Fantasy III

This is the hardest RPG I’ve ever played. It is Contra III cruel, Ninja Gaiden brutal, Super Turbo heartless, Danmaku evil. And it is madly fun.

It bears many similarities with the first title and, again, it is about light warriors and blagh. At the beginning of the game you choose names for the four characters, they have gone lost in a cave and must fight their way out. They start in the OnionKnight/Freelancer generic class but soon reach the first boss and purify the first of four elemental crystals and from it they receive additional Jobs (classes). The cool thing here is that you can change classes at any time at the cost of Capacity Points, which you earn after each battle. They cap at 250 but you should always have plenty to spare. As you fight in a given class, you gain skill points in it and become more proficient at that class. Skill points never reset when you change classes and also decrease the number of capacity points for a change to that class or a similar one.

Combat is an amalgam of the first two game’s. Turn order again seems random and there are front and back rows but now the warriors can be moved between mid combat at the cost of the turn. Each class has also a special combat command or trait, such as the Dragoon’s Jump and the Knight’s ability to protect a wounded ally. Equipment may be changed freely and some can be used as spells. The Staves only by mages. You choose an equipment for the left hand and another for the right hand. It is mostly useful to slap two swords on everyone.

Magic is yet again divided between Black and White only now they may be freely equipped and unequipped by anyone though their use is limited by the class of the character. Spell Charges across eight levels return but now they are waaaaaaay more plentiful. And there is a goddamn item that restores MP (?). Two new mage classes are the only capable of using summons (along with the ultimate Sage), very powerful creatures that attack the enemy, though they can’t use other spells and pretty much suck at everything else.

Ok, so the game is hard. I used to think Breath of Fire II had a steep difficulty curve and required much time of level grinding. I was wrong. Final Fantasy III just goes crazy. In your home town, to which you return right after receiving the first jobs, there is an area in which SLIGHTLY stronger monsters attack and there you are, taken with the pants down. Who the hell expects random encounters within the safe walls of a city? If you haven’t leveled up a bit after leaving the cave (you certainly haven’t) or haven’t upgraded your classes (you probably haven’t realized yet they exist), prepare to meet your doom in the hands of half dozen Werewolves. Really. And this is but a token of this game’s cruelty.

Your first task is to rescue Princess Sara from a cave. The second part of the cave is simply impossible unless you gain a few levels, it’s ridiculous. And even then the boss will walk all over you unless you have figured out his weakness. After that, the game ceaselessly increases the slope of difficulty like a natural exponential.

There are times in which you are forced to use Mini or Frog spells on yourself and that literally means you have to change everyone to mages and place them in the back row. That is because Attack and Defense are SEVERELY cut down because of the mentioned spells, I’d think they drop to 1, but the back row provides great defense and you take less hits per attack and dodge much more often. On the flipside, Attack while on the back row is greatly reduced and so is Accuracy. The enemies you meet while shrunk, while weaker, are nothing to scoff at as they can and will crush you. You even fight a bloody boss while Mini-ed.

Following this example, many parts require a specific strategy, or loads of grinding, to be crossed safely or relatively safely. Sometimes, it is a combination of that and pure luck. There is a boss that you MUST battle with the Dragoon class. No, don’t even try with another. Seriously, don’t. I did and regretted it immensely. Then I switched to all Dragoons, bought their equipment and only after the third or fourth try, when the random turn order didn’t fuck me in the eyeballs, I beat him.

And there are the overworld traps. I have seen tiles that deal damage, that cause poison, HPs being smitten to 1, places you aren’t supposed to visit yet… but never before had I gotten a Game Over screen from exploring the overworld. Those were the second most bitter Game Over screens I have endured (the first was losing my last life on stage 99 of Galaxian to that accursed kamikaze purple with 3 or 4 other enemies left).

You can only save while on the world map so do it constantly. I mean it, mind the traps. And mind the hours long dungeons that come out of nowhere. There’s a cave that is infested by the notorious split monsters. They in general aren’t very strong but they create a clone every time they are hit, unless they are hit by a black sword, a kind of weapon only the Magic Knight and the Ninja (the supreme fighting class) can wield. The clones don’t split if they are killed in one hit, otherwise they split again, so any class can theoretically beat them. Thing is, their damage, while not great, eventually adds up. Add to that 3 to 4 hours exploring their cave and I had to use all my 89 HiPotions, every last spell charge from all characters and a number of Elixirs and Phoenix Downs.

The last dungeon is killer. And by last dungeon I mean the last 3 dungeons you are forced to take in a row. Which could very well be 4 if you couldn’t backtrack to a resting place when you are done with one of them. Can you imagine what it is to weave through endless corridors, branches and rooms for almost 5 hours straight on the edge of death, unable to shake the dread that a monstrous enemy or trap is going to appear at any time to unmake all your hard work? Try playing Fallout with only one life: you die, you start over. Only then will you begin to fathom what it is to brave Final Fantasy III’s last stretch of wickedness.

It is also somewhere around there that you get the ultimate classes and weapons. I must say it is next to impossible to beat the game without them. And even so it is not a walk in the park. I want to note that this was the first time ever I saw over one million gold look like a small amount.

Yet, the game is very fun! It is true that you must be a hardcore old-schooler to enjoy it due to its ancient model but there are many marvels under the thick and mean cover of sheer difficulty. Hidden almost everywhere are fake walls and secret passages that lead to hoards of money and valuable items and gear. The world is vast and it is but a floating Isle above a great sea and great continents. You travel on a canoe, an airship that doubles as a submarine and a great, enormous, flying battleship. Figuring out the optimal class combination for each passage is a brain exercise. Even though sometimes the game is frustratingly annoying, it is so just enough that makes you want to try again and cleave the smirk off that enemy’s face. Find and defeat the three hidden bosses to collect the three supreme summons, assemble the perfect team, collect every hidden gold piece and save the world.

Also, there’s a fat Chocobo. How can you go wrong with a fat Chocobo?

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Ershin is telling me Breath of Fire IV is a good game

And so it ends, the fourth version of Capcom’s first RPG series is indeed a fun and rewarding one. Good characters, plot, sound, battle system and antagonist make this one of the finest and well rounded titles I have played. My favorite thing about it is certainly how well it flows. I cannot explain exactly but everything seems to go naturally and smoothly. Nothing seems to take less or more time than it should, therefore, I have never been bored of an area or ever felt that another passed like a glimpse. The game’s tempo is perfect.

It should be quite evident I haven’t writen this in one sitting. In the intervals, thinking on what and how to write, I felt anxious to lay my hands on the game again, anxious for the battles not fought, for the treasures not found, for the decisions not taken. A desire to exhaust every possibility and secret the game has to offer. I haven’t felt such thrill since I first played Chrono Cross, a good 6 or 7 years ago! Therefore, I affirm with no hesitation: the game is good.

Continue lendo

Publicado em Jogos | 4 Comentários

WordPress?! Jet Force Gemini e BoF 4 também

Olha só que coisa, Windows Live Spaces se aliciou ao WordPress, solicitando aos usuários que se mudem para este último. Ou ficam sem poder atualizar o blog. Por mim beleza, não é de hoje nem ontem que eu já achava o WordPress mais interessante mas nunca fiz por preguiça. Ainda tenho que me acostumar com ele mas tá sussa.

Mas essa porra de espaçamento duplo me emputece. Só espero que na hora de publicar não fique tão ruim como está pra escrever.

Enfim, uns dois meses atrás meu irmão descobriu meio sem querer que nosso computador RODA EMULADOR DE NINTENDO 64 PUTA QUE PARIU CARALHO! Pouco depois me empenhei em vasculhar a biblioteca de jogos do console para escolher quais baixar. Finalmente iria aplacar as frustrações da minha infância de ficar olhando páginas e páginas da Nintendo World mostrando títulos do N64 que “eu nunca iria jogar”. Fiz uma lista com 88 dos duzentos e poucos jogos lançados e comecei a baixar. Mas como nada na minha vida é pleno, o PC adora travar sem mais nem menos quando exigido e, muitas vezes, com coisas esdrúxulas. Agora nem o Windows Media Player ele abre sem dar crash e me forçar a resetar. Pode isso? Enfim, é lógico que isso se extende às ROMs e até agora só umas 5 não tiveram problemas. Minha redenção vai ter que esperar.

Continue lendo

Publicado em Jogos | 2 Comentários

Ontem perdi um filho

Ontem meu gato, Thomas, que já estava doente havia um tempo, teve um piripaque e morreu.

Começou há mais ou menos um mês, notamos que ele estava sem comer. Chamamos um veterinário que, pelo telefone, já tinha informado que poderia ser fígado ou gengiva. Chegando aqui ele apalpou e não sentiu nada, concluindo então que devia ser gengivite. Depois de 4 dias dando remédio vimos que ele não se animava a comer. O veterinário veio aqui de novo e dessa vez deu pra sentir um nódulo bastante grande no abdômen. Levei pra Suipa e fiz ultra-som. Acusou que poderia ser uma hérnia. Mostrei o laudo para o veterinário e o mesmo disse que teria que operar. Claro, no estado em que ele se encontrava não seria possível então dá-lhe mais remédio pra ele ganhar forças.

Esse veterinário ficou de pasar lá em casa pra colocar o Thomas no soro mas furou por duas vezes, o que deixou eu e meu pai putos da vida. Liguei pra minha amiga Cecília e ela me orientou a dar AD, da Hill’s, pra ele comer, soro caseiro e um outro antibiótico. Tudo forçado goela abaixo. Senti que ele tinha melhorado um pouco, já tava ficando mais difícil tirá-lo debaixo da cama pra dar os remédios e de alimentar. Mas ontem, 12/11/2009, enquanto eu tomava banho, escutei um miado angustiante e fui ver o que era. Era o Thomas no meio do meu quarto, deitado de lado, parecendo sentir muita dor. Na hora saquei que ele tava tendo um troço. Ele tava se mijando todo (o que já tinha acontecido umas duas vezes antes) e tremelicando um pouquinho. Liguei desesperado pra Cecília que me orientou a dar soro e mantê-lo aquecido.

Depois de dar um pouco de soro ele até se virou, ficando deitado sobre as quatro patas. Senti um grande alívio nessa hora mas sabia que não podia deixar como estava. Sempre fazendo carinho nele, telefonei procurando veterinário perto. Já eram quase 18 horas. Enquanto isso ele ronronava bem forte. Isso que me mata ainda agora, o jeito que ele ronronava. Não sei porque, mas me dá muita angústia. Mesmo depois de dar os remédios de um jeito que ele tanto odiava e colocá-lo de volta embaixo da cama (ele não tinha forças de ir andando numa tacada só) ele ficava ronronando sozinho.

De lá ela procurou veterinário e eu daqui também. Deitei o Thomas na sala enquanto trocava de roupa e telefonava. Ele miava de uma maneira de cortar o coração. Também tentava andar, se arrastando. Não sei se na direção do meu quarto ou se na minha. Achei uma clínica 24 horas bem perto e corri com ele pra lá. Mas ao chegar o coração dele já batia muito fraco. A veterinária injetou adrenalina e fez massagem cardíaca mas não teve jeito. Hora do óbito: cerca de 18:10, horário de verão.

Fiquei arrasado. Ainda estou. Eu tinha o bichano desde os 8 anos. Cresci junto com ele. Era como um irmão, como um filho pra mim. Não queria que morresse desse jeito, magro, com a barriga inchada, mijado, feito um gato de rua qualquer. O pior é que nem sei do que ele morreu, se foi do baço, do fígado, de fome, de remédio em demasia, se foi dos rins, da gengiva ou se infartou.

Liguei pra Cecília pra contar o que havia acontecido. Eu não queria levar o gato morto pra casa, perguntei o que fazer. Disse-me que não lembro onde, acho que não Suipa, faz cremação por uns 9 reais. Perguntei se podia deixar o gato lá. Falou que sim e peguei Metrô e Metrô na Superfície pro Humaitá. É longe, moro em Del Castilho. Chegando lá, ela me consolou e tal parará. Porra velho, essa mulher é foda. Mandou castrar o Thomas sem me cobrar nada, hospedou-o por uns dias na casa dela, me orientou muitas vezes, me emprestou a gaiola que eu usei até ontem. Deve mandar cremar o Tomiquito na segunda, 16/11/2009.

Lá ainda me disse que quando eu quiser posso pegar um gato lá pra adotar. No momento eu não sei se quero outro bicho. Também não sei se é legal trazer um gato ou cachorro pra uma casa impregnada com o cheiro do Thomas. Também não posso deixar de pensar que colocar outro bicho pra dentro de casa tão rápido é como se eu estivesse substituindo o Thomas. Quem aí tem animal de estimação ou um filho sabe que são insubstituíveis, sempre. Vai depender do meu irmão e do meu pai. Se eles quiserem, tudo bem. Se não quiserem, amém.

O que me leva aos pertences do Thomas. Cumbuca de água, de ração, caixa de areia, ração, areia, remédios. Os remédios não me servem de nada, devo dar pra Cecília. O resto vai depender se teremos outro gato ou cachorro. Se não, vou dar ou pro Heitor, que tem três gatas, ou pra Cecília, que tem um zilhão (já elaboro nisso). Sobraram duas latas de AD também. Puta troço caro.

Vim pra casa e contei o que houve. Lavei as coisas do Thomas. Nem jantei. Quero que o mundo se foda.

Pior que fica aquele sentimento de culpa. Devia ter reparado antes que ele tava ficando magro. Devia ter corrido pra outro veterinário depois que dispensei o primeiro. Não devia ter relaxado quando ele melhorou com o AD. Se isso, se aquilo, agora é tarde. Dica: SEJA neurótico.

Sabe o que me dá mais raiva? Só tenho UMA foto dele. UMA. Comprei a câmera tem pouco tempo, vou contar isso no post seguinte. Eu ficava pensando "Thomas, você não pode morrer ainda, tem que ficar bom pra eu tirar muitas fotos de você saudável". Estúpido. Como eu sou ingênuo. Eu sempre soube que ele podia morrer, nunca me enganei quanto a isso. E mesmo assim resolvi esperar ele melhorar. Só tirei essa única meio de bobeira quando tava brincando com a máquina. Pelo menos uma, né? Até tem outras de quando ele estava bem de saúde no celular do meu pai mas não consigo descarregar o puto de jeito nenhum. Tem umas ótimas lá. Vou ver se descarrego na casa de um amigo.

Meu conselho? Se você tem um bicho de estimação, seja qual for, vá lá correndo dar um abraço, um beijo, faça mil cafunés, tire fotos e grave vídeos até enjoar. É bem provável que seu bicho morra antes de você e, se não deu pra perceber, passar por isso é uma barra muito grande. Construa essas memórias pra não se arrepender feito eu.

Esse é o Thomas, na foto que mencionei. Dá pra ver na lateral dele como está magro. Probrezinho, não merecia morrer assim. Fazer o quê? Fica a saudade. E só. Nunca mais vou chegar em casa e ele vai vir correndo pro meu colo. Nunca mais vou escutar seu miado pedindo comida e seu ronronado após ganhar. Adeus, Thomas, te amo pra caralho.

Porra, minha ficha ainda não caiu. Que merda.

 

Prólogo

A Cecília tem um zoológico em casa. É sério, eu já estive lá. Muitos e muitos gatos, muitos e muitos cachorros, camundongo, papagaio, galinhas. Tem até um gavião. E um furão! Espaço até sobra, ela mora numa cobertura no Humaitá, não é pouca merda. Cacete, a casa dela é grande pra caralho. Muito. Dá pra se perder. Dá nervoso. Dentre os gatos e cachorros há os que são dela e os que ela pega na rua ou vão de outra maneira parar sob os cuidados dela, que são pra adotar. O perfil dela de orkut é http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=10345843264895310139 lá tem fotos dos bichos que estão pra adotar. Ela pega, cuida, põe o bicho de pé. Se alguém se interessar deixa um recado pra ela.

Só tenho que agradecer muito à Cecília por tudo o que fez por mim até hoje.

 

Ah e por sinal passou da meia-noite aqui, o post vai sair no sábado mas era pra ser na sexta. Grande coisa.

Publicado em Sem categoria | 2 Comentários

Kare Kano e de quebra Marvel Ultimate Alliance 2

Moçada, todo mundo pra trás.

O que vai acontecer é o seguinte: não vou mais postar em inglês. Não tenho mais saco pra isso. E como o principal leitor sou eu mesmo, não há razão para postar em inglês, salvo apenas se o post só faça sentido em outra língua. Além disso, eu e Alexander (cujo blog é esse e tem um link ali na direita também) vamos de vez em quando fazer semi-reviews pseudo-críticos em tempo quase real de jogos toscos. As comparações com o sensacional Angry Videogame Nerd serão inevitáveis mas foda-se. O que ocorre é que vira e mexe eu vou na casa dele e rola seção de gaymes tts e outros nem tão ruins. Hoje vou contar minhas peripécias do fim de semana que se passou.

Antes de mais nada, é altamente recomendável que você seja razoavelmente versado em

Anteontem o Alexander me chamou pra ir na casa dele. Demorou, disse eu, mas só se tiver um jogo tt pra gente jogar :D. Depois de pensar me lembrei que tinha Altered Beast pra PS2, ele deixou baixando enquanto eu ia pra lá. Cheguei por volta das dezoito e trinta, ele tava jogando Persona 3. Ficamos um tempão conversando sobre a vida, passando pelo passado, Teoria das Supercordas, didática e Teoria Quântica segundo Tomb Raider.

Como a besta alterada ia demorar muito ainda pra baixar ficamos vendo Kare Kano conforme recomendação do Alexander. Ih porra ele me falou na hora e também lembrei agora que ainda não devolvi o Card Captors Sakura dele :( Enfim, logo de cara dá pra perceber que Kare Kano já tem uma certa idade (Wikipédia me diz que a animação é de 1998) por causa do traço e das cores mas é claro que isso não faz a menor diferença, só me chamou a atenção. Pelo o que eu entendi, a personagem principal éYukino Miyazawa, uma estudante de segundo grau que, durante toda a vida fez pose de garota perfeita. É, daquele tipo que só existe em história pra boi dormir: educada, inteligente, prestativa, prendada, carismática. Manja aquelas colegas que você já teve ou ainda tem que não podem escutar alguém falar "pinto" sem ficarem ruborizadas e sem jeito e por vezes soltar um "ai, que isso"? É, Yukino Miyazawa tem a exata personalidade que elas queriam ter ou queriam que os outros pensassem que elas tem. O que é justamente o ponto. A menina perfeita é uma farsa, uma fachada que rende a Yukino muitos elogios. E, aparentemente, ela é movida a elogios e precisa ficar permanentemente no centro das atenções e no topo da cadeia alimentar. O foda é que ela sabe e se orgulha muito disso. Ela é uma puta mesmo.

Nunca houve ninguém capaz de competir com ela. Ela estuda pra caralho pra manter as boas notas, o que seria louvável e admirável se a motivação fosse menos mesquinha. Lá pelas tantas entra Soichiro Arima, um carinha que parece ser ainda mais perfeito que ela. Agora se você não gosta de nenhum tipo de spoilers, pule pro próximo parágrafo; se não incomoda de ter a história adiantada de leve, continue. Acaba que Arima sem querer descobre o esquema de Yukino e a chantageia obrigando a  fazer trabalhos escolares. Fica claro então que Arima não é esse bom moço que aparenta mas a chantagem era só uma desculpa pra ele ficar junto da Yukino. No fim, ela continuou a ajudá-lo já que virou rotina mesmo. A cada dia eles percebem o quanto tem em comum e como nenhuma outra pessoa os compreende como o outro. Óbvio que acabam se apaixonando e namorando. O namoro é bem aquela coisa "ele é meu príncipe encantado" e "ela é a razão de minha vida" feito Chico Bento e Rosinha. Depois vai melhorando, eles saem, se beijam e pans. Há crises existênciais e outras frescuras de ambas as partes no meio do caminho mas o maneiro é a imersão de pensamentos que cada um tem. Um pensamento leva a outro, que leva a outro, que leva a uma conclusão, e isso dá o tom das ações escolhidas. Isso acontece o tempo inteiro desde o primeiro episódio. Fica muito maneiro que desse modo eles vão descobrindo coisas que nunca perceberam sobre si mesmos e como isso os afetará individualmente e como casal daqui pra frente. Só vi até o episódio 7 eu acho, a essa altura já chegaram os outros personagens cujo propósito é fuder com os mocinhos. Faz parte. Vou terminar de ver aos pouquinhos.

Aí fomos ver Tropa de Elite >:D Alexander pediu pra sair no meio. Eu
vi até o final e depois mais um pouco de Kare Kano. Quando deu 3 da
manhã eu desisti. Acordei eram umas nove horas, fiquei procurando o CD do SF3: Third Strike até que o Alexander acordou. O Altered Beast ia demorar ainda então ele terminou de baixar e gravou Marvel Ultimate Alliance 2.

De fato não parece ser muito diferente dos outros jogos do gênero. Se você já jogou o primeiro ou X-Men Legends não vai ter a menor dificuldade de adaptação. Você começa com Homem-Aranha, Homem de Ferro, Capitão América e Wolverine na equipe e Nick Fury de NPC. A idéia é invadir um castelo num país obscuro aí a troco de chutar um traseiro malvado. Beleza, o X bate, bola concentra porrada, triângulo pula e quadrado é o botão de agarrar e de ação. Eu prefiro mil vezes o X pulando, acho muito mais intuitivo mas firmeza. A porrada começa a comer e logo o jogo começa a dar o mais alarmante sinal de ser ruim: a câmera. Que bosta. Eu não consigo compreender como, a esta altura do campeonato, os designers ainda conseguem entregar um jogo em que a câmera é uma merda. Puta que pariu, será que com quase quinze anos de games em 3D já não dava pra sacar que a capacidade de ver o que caralho você está fazendo do ângulo e distância mais favoráveis ou do jeito que te der na telha é um fator muito mas muito importante na recepção de um jogo? E porra, com tantos exemplos bons por aí, feito Super Mario 64. God of War não te permite controlar a posição da câmera e mesmo assim não há do que reclamar. Isso porque em nenhum momento a câmera é posicionada de modo que sua visão fique bloqueada ou prejudicada. Já no Marvel, há um momento em que você atravesa uma ponte de treliça. Ao chegar nela a câmera se posiciona perpendicularmente ao comprimento da ponte e uns caras maus vem apanhar. Estaria tudo bem se a porra da treliça ficasse transparente nesse segmento. Basicamente o que essa parte me diz é "estamos sendo atacados por caras maus e eles estão jogando vigas de ferro em nossos olhos". Como é possível deixar isso acontecer na primeira fase?

Fica pior, a  câmera dança pela tela o tempo todo, tornando difícil ir onde você quer. Tudo bem que, como é um jogo cooperativo de tela partilhada, é preciso considerar que nem sempre os movimentos dos dois jogadores são coordenados e situações em que a coisa não anda porque um ficou preso entre uma parede e o fim da tela surgirão invariavelmente. Mas é fato que poderia ter sido feito um trabalho melhor. Tome o God of War como exemplo novamente. A camêra muda repentinamente de posição o tempo inteiro mas isso nunca te atrapalha porque a nova posição é boa, o jogo não cria situações em que sua visão fica prejudicada e a movimentação é mantida na perspectiva da câmera anterior. Isso quer dizer que, se eu estou indo numa direção e a câmera muda para outra diametralmente oposta, o Kratos não vai virar 180 graus, me fazendo voltar para a câmera anterior, gerando uma nova meia volta e o ciclo não vai se repetir até eu largar o controle atordoado. Em vez disso, ele vai continuar indo na mesma direção de antes e se movimenta como se a referência ainda fosse a câmera anterior até que eu deixe o manete neutro, resetando a referência para a câmera atual. Não sei se foi GoW que inventou isso mas é extremamente útil e todo o jogo que possa usar o sistema deveria fazê-lo. Conclusão: a câmera do Marvel ainda por cima cria situações em que você anda na direção da tela da TV. É muita estupidez e, de novo, na primeira fase.

O chefe do primeiro nível é o Electro (pensei que era o Shocker quando vi), ele faz um comentário depreciativo sobre as fantasias dos heróis. ORLY? Só nós tamos fantasiados? Que tentativa horrenda de humor irônico. O que me lembra que, às vezes, o Homem-Aranha fala algo tipo "você etá sendo derrotado por um cara numa fantasia assim assim". Sério? Dá vontade de bater no cara que escreveu o script. Ah sim, a piranha que comandava a parada morre numa explosão. Ai corta pra Torre Stark, dá pra acessar uns computadores lá com informações, quiz que dá XP e coisas mais que esqueci. O fato bizarro é que quando você desloga de um computador, o jogo precisa carregar novamente. Um saco, ainda mais pelo loading levar uns 30 segundos. Deveriam aprender com Okami, que tem minigame durante o loading (idéia genial), e você ainda ganha item no minigame. Mas o bizarro não é isso. A tela fica preta com "Loading" no canto esquerdo. Depois disso aparece um desenho qualquer com "Loading" do outro lado. O JOGO TEM LOADING ANTES DO LOADING!! Eu nunca ouvi falar disso na minha vida. Chega a ser engraçado… precisa ler pra poder ler. Tipo o paradoxo Experiência x Oportunidade do mercado de trabalho. Ainda na tela de Loading aparece uma diquinha de gameplay, feito X O X é um combo que termina em rasteira. Ah vá, os designers acharam melhor te ensinar a jogar nas telas de loading em vez de ter um modo de treino. Ou seja, se você não tomar o cuidado de observar a tela de controles só vai descobrir que L1 defende na quinta fase.

Em vez de modo treino, de vez em quando aparece uma mensagem na tela dizendo como fazer alguma coisa. Por exemplo, como usar os poderes especiais, como agarrar, como usar os fatais combinados. Não é uma idéia necessariamente ruim mas foi pessimamente executada. Primeiro, a caixa de texto delas é enorme, ocupa fácil um quinto da tela e fica bem no meio. Segundo: elas só aparecem quando o pau tá comendo! Isso te força a ler e apanhar ou deixar de aprender um fundamento do jogo pra não morrer. Terceiro: o texto some se você apertar X. Levando em consideração que X é o botão de porrada, não é exagero algum concluir que ele será pressionado milhares de vezes, especialmente quando há inimigos na tela, que é justamente quando as mensagens aparecem! Novamente, ou você lê e perde vida ou salva a pele. Vai tomar no cu. É que nem no Simon’s Quest, quando você pega um pergaminho e acidentalmente corta o texto.

Bom, lá na Torre Stark você recebe a próxima missão, que é detonar de novo a putinha de antes. Aparentemente ela sobreviveu graças a implantes cibernéticos. Beleza, vamos lá. Loading… cacete, porque eu estou na Torre Stark ainda? Não podia começar direto na missão? Não tem porra nenhuma pra fazer aqui além de levar esporro do Nick Fury e do Iron Man por ainda estar aqui. Então vamos pegar o transporte pra área da missão. Porra, loading de novo. Para adicionar insulto à injúria, cada vez que troca de área o jogo dá um quicksave a título de checkpoint. Tudo bem, checkpoints são nossos amigos mas criá-lo leva mais 5 segundos de espera logo após a tela de loading. Ou seja, quando você pensa que finalmente vai pôr a mão na massa tem que eperar mais ainda. Não consigo descrever o quão anticlimático isso é. Muito parecido com o Simon’s Quest quando há a transição do dia para noite e da noite para o dia. A idéia da missão é resgatar os civis que estão presos nos escombros da cidade. A destruição foi causada pela puta ciborgue. Porrada vai, porrada vem e algumas vezes somos quase atropelados por casos de civis o que devo reconhecer que é engraçado pra caralho, a gente riu muito alto. Fudeu, eles viram a gente… atropela! Atropela! Avançando, a puta aparece em sua forma metade robô falando que vai se vingar, um puta papo xarope. O que não dá pra engolir são as costelas dela, que estão aparentes. Ah, então é uma vadia…ciborgue…zumbi? Alguém andou assistindo Tarantino demais.

Depois de salvermos todos os civis ficamos literalmente meia hora tentando descobrir o que fazer me seguida, sem sucesso. Depois de esgotar cada possibilidade concluímos que o jogo bugou e carregamos o último save. Puta que pariu, vamos fazer o quiz de novo. De fato o jogo encrencou e pudemos enfim avançar até o chefe da fase, a puta. Só que ela é impossível pra caralho. Ela fica gerando robôs kamikazes escrotos pra caralho. Acompanhe o raciocínio: imagine um inimigo que se encostar em você, explode causando um caminhão de dano. Multiplique isso por uma penca. Pronto. Oh, mas você pode acertá-los de longe. É verdade mas nem todo personagem lança mägias e, além disso, elas gastam barra de mana (ou de especial, ou de ki, ou do que você quiser). A explosão pega muito longe e dá dano absurdamente exagerado. Pra você ter uma idéia, a porrada DO HULK tira em torno de 12. As porradas que você leva de um inimigo comum tira de 1 a 9. As explosões causam 15 pontos de dano. Desistimos de ganhar dela. Admito que provavelmente há algum meio que não conseguimos enxergar mas a impressão que dá é que o malandro que projetou aquela fase brigou com a esposa.

Largamos uma bosta e fomos jogar outra bosta, Neogeo Battle Coliseum. Mas os contras foram maneiros. Pena que arrebentei meu controle :( Nove da noite vim pra minha casa. Fiquei lendo Bleach no caminho. Relendo, na verdade. Hoje li mais alguns e parei no 14. O último que comprei foi o 27, que ainda não li. Depois vou reler o Tsubasa Chronicles Reservoir também, ainda não li o 33 e o 24 (que pulei sem querere só notei recentemente).

E o Altered Beast tava baixando ainda.

[edit em 14/09/2009]
Ah porra esqueci uns bagulhos.

No sábado acho que só vimos anaimes mesmo, nem jogamos. Depois do Kare Kano e antes do Tropa de Elite fomos ver o segundo filme de Card Captors Sakura: A Carta Selada. Ele é bem maneiro mas é foda que mudaram a dubladora da Sakura, que era a lendária que também dublou a Serena em Sailor Moon. Se alguém souber o nome dela avisa por favor! Mudaram a voz da Mei Ling também mas quem liga? Aí, por pura babaquice, resolvemos assistir ao filme com o áudio original e legendas em português. Estranhamente, o narrador ainda fala "numa distribuição blá blá blá Estúdio Gabia… Sakura Card Captions". E, tristemente, depois de duas frases nota-se que a legenda é exatamente o script da dublagem. E tem umas falas que você claramente percebe a tradução foi falha (e a revisão também). Por exemplo, tem uma hora que a Sakura chega em casa e diz todaima (querida, cheguei) ao passo que o Kero responde okaeri[nassai] (bem vindo ao lar). Versão dublada: – Já cheguei, Kero, – Tá bom, Sakura. Foda, viu. É o que eu sempre digo, são três incompetentes: o que fez, o que aprovou e o que comprou.

Uma coisa interessante de se notar é que a entonação e modo de separar as frases usada nos anaimes, que a mim, pelo menos, soa bastante estranha, é a mesma no jeito deles de falar. Eu percebi isso quando vi no Youtube as eliminatórias e finais do torneio que rolou em 1998 de Street Fighter Alpha 3 no Japão. Os apresentadores falavam igualzinho a um anaime, chegava a dar nervoso. Isso me fez perceber como a entonação é parte integrante do sotaque de um povo e não só a diferença de pronúncia. Um nativo do Rio de Janeiro faz do S em fim de sílaba um X e -te e -ti viram tchi. Em São Paulo, o R em fim de sílaba é arrastado. No Nordeste, quase todas as vogais são mais arrastadas e as consoantes são pronunciadas como um estrangeiro esperaria (nada de tchi e similares). Porra, deve ser difícil pra caralho falar outra língua sem sotaque. Por mais que aprenda a pronúncia correta e o vocabulário seja humilhante, a entonação e separação das palavras é uma parada mais complicada de se pegar e acostumar. Ao menos para mim é isso o que aparenta.

No domingo jantamos comida japonesa uhú! Sempre tive curiosidade de saber como é e devo dizer que… o tal peixe cru não me impressionou. Não era ruim mas não me deixou ávido por terminar o prato também. Parece que o gosto vem com o hábito mas considerando o quão cara é uma porção de sushi, eu fico com meu arroz e feijão.
[/edit]

Publicado em Jogos | 1 Comentário

Juros e dividendos / Interests and dividends

Gringo code is ROTUND CAPTAIN COMBEE

    O RPGSM foi uma idéia sem sentido que eu tive em Março de 2006 de tentar zerar 10 RPGS em um ano. Em Junho do mesmo ano, surgiu a idéia de documentar o progresso em um blog e assim o Ministério Fantasma foi criado. Eu ainda acho esse nome muito bom. E era um desafio. No começo havia uma grande empolgação, muita vontade de atingir a meta. Hoje isso não existe mais. Ultimamente tenho colocado tudo de forma mecânica, sem muita emoção ou real interesse na escrita. Pouco tempo depois de iniciar as narrativas eu percebi que não iria conseguir concluir os 10 RPGs até Março de 2007. Então aquela vontade enorme de atingir a meta foi vagarosamente desaparecendo. Dá pra notar como no começo eu falava francamente várias vezes e postava muitos screenshots. Aos poucos o texto foi ficando mais impessoal e os screenshots ficaram raros. Em parte, isso se deve, ironicamente, ao fato de ser ter que registrar tudo em texto. Por muitas vezes eu não tinha ânimo de jogar pois teria que escrever tudo depois. O blog acabou transformando minha idéia de diversão em obrigação. Imagina como eu lido com dever de casa HEH. Acredito que foi justamente aí que eu errei. Em condições normais eu provavelmente já teria terminado. Mas não me arrependo, até que se tira uma lição disso. Vou continuar com o blog até terminar os 10 RPGs não importa quanto tempo isso leve. A meta acabou se tornando "termine os 10, pomba".
    Agora eu quero um momento para falar dos 6 jogos completos, expressar melhor minhas opiniões e as impressões que cada um deixou.

Chrono Trigger

   Ah Chrono Trigger. Certamente um dos melhores RPGs de todos os tempos e o melhor de sua época. Tudo o que você espera de um RPG está aqui: personagens cativantes, trilha sonora maravilhosa, magias devastadoras, desafio na medida e uma história digna de cinema. NewGame+ e os vários finais incentivam a jogá-lo novamente e novamente até secar. Também, seu eu fosse um jogo feito pelo Dream Team, também teria essa pompa toda. Um must have para qualquer fã de RPG.

Radical Dreamers

    Esse jogo foi uma experiência bem interessante e única. Foi a primeira vez que joguei um text RPG. O fato de ele ser parte da série Chrono garantiu meu entusiasmo e vontade seguir adiante. Gostei muito do jogo e certamente o revisitarei. A narrativa é muito bem feita e prende o jogador até o final. Detém uma trilha sonora excelente, cortesia do mestre Yasunori Mitsuda. Acabou juntando-se ao grupo dos jogos-que-eram-pra-ser-continuações-mas-viraram-realidades-paralelas por diversos problemas com Chrono Cross. Foi feito no sistema Satella View, que só funciona no Super Famicon (SNES nipônico), por isso nunca foi lançado desse lado do Pacífico. De qualquer modo, tem seu próprio mérito e recomendo. Obrigado DemiForce!

Chrono Cross

    É Chrono. Em 3D! Primeiro deixe-me esclarecer uma coisa: um das discussões mais acalentadas é se CC é ou não uma boa continuação de CT. A meu ver, não, não é. A história é confusa e muitas vezes mal contada, muita coisa acontece ao mesmo tempo e oh meu Deus eu troquei de corpo com o Lynx?! É possível que o entendimento da trama tenho sido prejudicado na tradução do japonês para o inglês mas eu não falo japonês então só posso julgar pelo o que tenho. Com isso fora do caminho, afirmo sem medo de errar que é um grande jogo, com músicas divinas e a história principal não é TÃO complicada de se acompanhar. Minha única implicância com CC é o exagerado número de personagens jogáveis. Sério, quarenta e caralho a quatro? Quarenta e cinco se contar Lynx. Sendo a maioria de mau a horrível. O nível de dificuldade poderia ser mais alto mas Garai, Miguel, Dario e Criosphinx estão lá pra quem quer um desafio. Em suma, um ótimo jogo se visto sozinho mas uma continuação não tão boa do clássico Chrono Trigger. E ainda aguardamos pelo Chrono Break.

Breath of Fire

    Pra ser honesto, a primeira versão da saga é bem média. Não tem uma história excelente mas ela não chega a ser uma desculpa. Ele não despertou "aquilo" em mim. Ele não me empolga muito. O seu desafio é difícil de medir. Ryu virou dragão? Você venceu. Karn está fusionado? Você venceu. Precisa ir para aquele lugar? MUITA boa sorte. Em termos de batalha, o jogo não apresenta grande desafio pois as transformações de Ryu e de Karn são fortes demais e Nina e Bleu são um roubo. Entretanto, você fica perdido com facilidade pois as dicas que o jogo dá são muito vagas. É um jogo legal e um bom ponto de partida para quem quer começar nos RPGs por sua simplicidade.

Breath of Fire 2

   Agora sim! Primeiro RPG que joguei, a culpa de eu gostar do gênero é desse carinha aí. Que evolução em relação ao primeiro. Gráficos melhores, músicas melhores, personagens muito mais interessantes. O desafio das batalhas aumentou bastante e os absurdos que haviam no primeiro jogo foram removidos. O sistema de Shaman e a personalização de Township te dão muitas opções para cada playthrough. A história é mais trabalhada, com pinceladas de corrupção, traição e conspiração. Ele se aprofunda bastante na história pessoal de alguns dos personagens secundários, tendo capítulos inteiros dedicados a eles. Chato é que Patty não volta para ficar com seu irmão :( Chato também terem enfraquecido as magias de dragão do Ryu a ponto de ficarem quase inúteis. Também é complicado chegar ao final sem parar e treinar de vez em quando, os inimigos ficam fortes rapidinho e os chefes não perdoam. Uma característica da série é de demorar muito para passar de nível. Some isso à necessidade de avançar 3 ou 4 níveis a cada capítulo para ter uma passagem segura e você fica com um bocado de tempo em suas mãos para random battles. Porém, só é necessidade primária para quem gosta de esmagar todos os inimigos ou joga seguro.

Breath of Fire 3

   Cara, não gostei. Ponto. Quero dizer, não é um jogo ruim. Acontece que eu e ele não nos entendemos. Não encontrei nele "aquilo" que me segura na cadeira e me dá vontade de avançar e ganhar níveis. Talvez tenham sido as lentas batalhas, ou a música dormente ou o péssimo diálogo. Alguns aspectos me pareceram demasiado forçados e outros simplesmente idiotas. Não acho Balio, Sunder e sua insistência engraçados, eles são irritantes e quero que se afoguem. Odeio o fato de a Momo errar grande parte dos tiros e ainda ter que usá-la em diversas ocasiões. Nina é estupidamente fraca ._. Por outro lado, o sistema de transformação em dragão é muito divertido, uma evolução do sistema de Shamans, exceto que apenas para Ryu. Os mestres também adicionam muita variedade e estratégia. E o Peco é hilário. Cara, você tá levando um murro de uma cebola! Não acredite em mim, jogue e tire sua conclusão sobre esse os outros nove. Não sou o dono da verdade e nem o pretendo ser.

   Junte-se a mim na próxima vez, quando colocarei minhas mãos em Breath of Fire 4 e, espero, terei uma estada mais agradável.

————————— ROTUND CAPTAIN COMBEE —————————

   The RPGSM was a nonsensical idea I had in March of 2006 that was to try and beat 10 RPGs in one year. In June of the same year, I came up with the idea of register the progress in a blog and so the Ministério Fantasma (Phantom Ministry) was created. I still think the name is very good. And it was a challenge. In the beginning there were a lot of thrill, a lot of craving for meeting the goal. Today it doesn’t exist anymore. Lately I’ve been putting it mechanically, without much emotion or real interest in the writing. Shortly after I began the narratives I realized I wouldn’t be able to conclude the 10 RPGs until March of 2007. Then that enormous willingness of meeting the goal slowly weared off. You can notice in the beginning I talked frankly often and posted many screenshots. Gradually the text became more impersonal and the screenshot became rare. In part, this is due, ironically, to the fact I had to register everything in text. Many times I had no desire for playing because I would have to write it down after. The blog ended up transforming my idea of fun in obligation. Just imagine how I deal with homework HEH. I believe that was right were I made a mistake. In normal conditions I would be probably done. But I do not regreat it, you can actually take a lesson from it. I will go on until I finish the 10 RPGs no matter how long it takes. The goal has shifted to "finish the 10, damnit".
   Now I want a moment to talk about the 6 completed games, to express better my opinions and the impressions each one left.

 

Chrono Trigger

   Ah Chrono Trigger. Certainly one of the best RPGs ever and the best of its time. Everything you expect from a RPG is here: captivating characters, wonderfull soundtrack, devastating spells, fair challenge and a plot worth of cinema. NewGame+ and the several endings motivate to play again and again to dryness. Hell, if I was a game made by the Dream Team I’d also have this pomp. A must have for any RPG fan.

Radical Dreamers

  This game was a pretty interesting and unique experience. It was the first time I played a text RPG. The fact it is part of the Chrono series assured my enthusiasm and will to go ahead. I liked the game a lot and certainly will visit it again. Its extremely well done narrative values the imagination and hooks the player to the end. It holds an excellent soundtrack, courtesy of master Yasunori Mitsuda. It ended up joining the games-meant-to-be-sequels-that-turned-into-pararell-realities group due to issues with Chrono Cross. It was made in the Satella View system, which only works on the Super Famicon (japanese SNES), reason why it was never released this side of the Pacific. At any rate, it has its own merit and I recommend it. Thank you, DemiForce!

Chrono Cross

   It is Chrono. In 3D! First let me make something clear: one of the hotest arguments is whether CC is a good sequel to CT. In my eyes, no, it isn’t. The story is confusing and often poorly told, too much stuff happening at the same time and oh my God I swaped bodies with Lynx?! It is possible the understanding of the plot was prejudiced in the japanese to english translation but I do not speak japanese so I can only judge from what I have. With that out of the way, I affirm with no fear of being wrong that it is a great game, with divine musics and the main story is not THAT hard to follow. My only qualm with CC is the exaggerated number of playable characters. Seriously, forty fucking four? Forty five if you count Lynx. The majority of them ranging from bad to horrible. The dificulty level could be higher but Garai, Miguel, Dario and Criosphinx are there to who wants a challenge. All in all, a great game standalone but a not so great continuation to the classic Chrono Trigger. And we keep waiting for Chrono Break.

Breath of Fire

   To be honest, the first version of the saga is pretty medium. It doesn’t boast an excellent story but it doesn’t come as an excuse either. It didn’t trigger "it" in me. It doesn’t excite me much. Its dificulty is hard to measure. Ryu turned into a dragon? You won. Karn is fusioned? You won. You need to go to that place? BEST of luck. As far as battles go, the game doesn’t present a big challenge because Ryu’s and Karn’s transformations are overpowered and Nina and Bleu are a heist themselves. However, you get lost easily since the hints the game gives are very vague. It is a cool game and a nice starting point for who want to start in RPGs because of its simplicity.

Breath of Fire 2

   Now yes! First RPG I played, it is this guy’s fault I like the genre. Such evolution over the first. Better graphics, better music, much more interesting characters. The dificulty of the battles was intensified greatly and the absurds present in the first game were removed. The Shaman system and the customization of Township offer lots of options for each playthrough. The plot is more polished, with touchs of corruption, treachery and conspiration. It delves deep in the personal story of some secondary characters, having entire chapters dedicated to them. Too bad Patty doesn’t come back to her brother :( Too bad too they weakened Ryu’s dragon spells to a point they are almost useless. It is also complicated to reach the end without stoping to train once in a while, the enemies become stronger quickly and the bosses are merciless. A characteristic of the series is the long time it takes to pass levels. Add to that the necessity of advancing 3 or 4 levels every chapter to have a safe trip and it equals to a lot of time in your hands for random battles. Though it is only a primal need to those whom like to smash every enemy or play safe.

Breath of Fire 3

   Man, I didn’t like it. Period. I mean, it is not a bad game. It happens that me and it didn’t get along. I didn’t find in the game "it" that clings me to the chair and makes me want to advance and gain levels. Maybe it was the slow battles, or the numb music or the terrible dialogue. Some aspects seemed way too forced or flat out idiotic. I don’t think Balio, Sunder and their insistence funny, they are annoying and I want them to drown. I hate it that Momo misses a good part of her shots and I must use her in several ocasions. Nina is stupidly weak ._. On the other hand, the dragon morphs system is very fun, an evolution over the Shaman system, except only for Ryu. The masters also add variety and strategy. And Peco is hilarious. Dude, you’re being punched by an onion! Don’t believe in me, play and make your own conclusions about this game and the other nine. I am not the owner of the truth and neither do I intend to be.

   Join me next time when I put my hands on Breath of Fire 4 and hopefully have a better time playing it.

Publicado em Jogos | 1 Comentário

Breath of Fire 3: finale

Gringo code is JUMBO FRANCISCO

   O Black Ship na verdade tem poucas áreas a serem exploradas. Na parte com o guindaste há um ponto que sempre faz o Emurayden travar, fui obrigado a resetar mas nesse momento eu já estava preparado e fiz um save antes. Porém, esse save estava travando assim que terminava de carregar. Ou seja, estava completamente preso e a única saída aparente seria começar o jogo de novo. Se esse fosse o único jeito eu teria sinceramente desistido de jogar. Depois pensei em usar a cópia do Memory Card, sempre copio-o de tempos em tempos. Isso me faria voltar um bocado mas seria melhor do que começar de novo. Felizmente nada disso foi necessário pois descobri como passar da trava. Chegamos à ponte e somente Momo é capaz de entender os controles. Alguém da produção do jogo devia gostar MUITO da Momo, não é a primeira e nem a segunda vez que sou obrigado a usá-la. O que é meio chato já que Momo é o personagem que eu definitivamente não quero mais usar. Já sei que vou ficar com Peco mas não decidi qual será o terceiro boneco. Garr é forte e equilibrado, Rei é rápido e tem Weretiger mas defesas baixas, Nina é a única que tem mágica e é ligeira mas é muito fraca no resto. Provavelmente vou levar Garr mas ainda não está acertado. Agora que Momo descobriu como funciona o painel, tenho que jogar mais um mini-game chato e estúpido. Devo descer o elevador, ver que número aparece no Boost Counter e avisar Momo quando o mesmo chegar a 100. Ele continua contando enquanto ando mas na verdade é bem fácil pois ele ainda bipa cada vez que conta. Me parece que não precisa ser exatamente 100 pois perdi a conta no meio do caminho mas acertei de primeira. Ficamos no aguardo do navio chegar. Um alarme soa, há algo na proa. Vamos averiguar e nos deparamos com os Ammonites. Nada amigáveis. É possível dar uns passos para trás de modo que as defesas automáticas do navio te ajudam na batalha mas me embananei rapidinho e não tive ajuda. Quase morri.  No outro continente, atraco em Kombinet. Nesta cidade os cidadãos usam os robôs para carregar os navios com peças de máquinas. A área nestas bandas são muito áridas, suas poucas árvores são secas feito rochas. Adiante há uma bosque de Yggdrasil onde encontro o gene Trance. Ao norte chego num local chamado Colony. É uma construção que lembra Angel Tower, exceto que está bem surrada e com uma antena girando em seu centro. Um dos personagens fica imaginando o que poderia ser isto e sugere que Momo poderia descobrir. Viu do que estou falando? Momo de novo. Ela descobre como a engenhoca funciona, é um teletransporte feito o do castelo de Wyndia. Primeiro é preciso ativá-lo usando uns refletores para que o raio de energia atinja o motor. Nesta sala ainda pego o gene Failure. O aparato nos leva pra Urkan Tapa de novo! Todo esse trabalho para cruzar o mar em vão. Deve haver um jeito e fazê-lo funcionar ao contrário. Subo até o topo da antena e reabilito o transporte. Agora posso viajar para diversos lugares: Colony, Dragnier, Container Yard e Relay Point B (estou no A). Container Yard é um pequeno depósito que contém o gene Radiance. Relay Point B é no subsolo de Wyndia e de lá pode-se ir ir para Dauna Region, Yrall Region, Wyndia e Relay Point A. Dauna region dá embaixo da casa do mestre Emitai; Yrall Region no subsolo de uma cabana entre o vale que dá acesso a Ogre Road e McNeil; Wyndia leva à casa de Durandal, atrás do castelo.
   Dragnier é a cidade onde os últimos membros da Brood vivem reclusos. Ao ver pessoas saindo da sala do teletransporte, eles fazem uma grande festa. O patriarca explica que, há muitos anos, para fugir da guerra, eles abandonaram seus poderes e se esconderam. Aqueles que não o fizeram ou morreram ou se esconderam embaixo da terra. Os heróis comem o banquete e dormem. Não dá pra negar que existe um clima estranho em torno de Garr. É esquisito que o príncipe dragão, Ryu, tenha trazido consigo o inimigo jurado da Brood. No dia seguinte, o patriarca diz que o ancião da vila quer ver Ryu. Esse é um cara muito muito velho que ainda se lembra da grande guerra. Um pouco de lição de história sobre a luta entre Myria e a Brood, que vem acontecendo desde sempre. Ele fala com Ryu, Garr e Nina. Depois quer falar com Ryu de novo. A batalha contra chefe aqui se torna bastante óbvia então saio pra treinar um pouco. A oeste de Dragnier há a Factory. Um monte de rampas do lado de fora e tecnologia do lado de dentro. Não é nada complicado mas tem uns inimigos bem chatos, principalmente o EggGang. Esse carinha pode te transformar num ovo, o que te deixa inutilizado. Dá pra reverter com Remedy ou Panacea mas vindo dois deles na mesma equipe inimiga pode ser muita encrenca. Se todos os seus virarem ovos é Game Over pois o status não some sozinho. Pelo menos você recupera todo o HP e AP se você for um ovo ao acabar a luta. Imagino se isso foi proposital. Do outro lado da Factory há um deserto que não posso atravessar no momento então vamos voltar e confrontar o Elder.
   Ele fala a Ryu que há muito espera o dia em que chegaria alguém para o qual ele deveria entregar o poder da Brood que vem guardando. Ele convida Ryu a tomá-lo dele. Nesta luta, Ryu não pode virar dragão devido às paredes do local, que são reforçadas com uma força mágica que inibe os poderes da Brood a fim de que Myria não os encontre. Contradizendo isso, o Elder vira um dragão sem tamanho pra me bater. Ele tem um força física enorme e magias bem grosseiras mas venço-o sem muitos problemas. Em seu último suspiro, ele diz a Ryu que agora terá todo o poder da Brood, o poder que Myria tem razão em temer. O Elder desaparece deixando o último gene, Infinity. O patriarca nos diz que devemos cruzar o deserto ao norte para chegar a Myria.
   Um cara chamado Horis nos guia por lá. Para andar sem se perder é preciso seguir bem as estrelas. De vez em quando tenho que tomar água e sempre que for dia devo acampar para poupar forças. Se por acaso me perder posso usar o rakda (um animal feito um camelo) para voltar ao ponto de partida. Lá pelas tantas, a equipe decide subir num morrinho para ter uma vista melhor das redondezas. Acontece que esse morro é Manmo. Lá vem um chefe. Que só chateia por causa do Howling, ataque que causa confusão em todos. Ele parece muito o Mammoth de BoF2. Depois dele, Nina sofre de insolação e não poderemos prosseguir com ela nesse estado. Num raro momento de muita macheza, Ryu mata o rakda. Sua carne tem umas propriedades legais ao que parece. Nina melhora e chegamos feito um caco no Oasis. Os habitantes nos dão abrigo e comida. Não sabem nada de Deus mas sabem que há uma cidade abandonada próxima ao Oasis: Caer Xhan.
   Caer Xhan tem uma aparência futurista, porém em ruínas. Não há uma alma viva exceto pelos dois robôs que administram a Item e Weapon Shops. Exceto que robôs não estão "vivos". Bleh. Seguimos em frente até ativarmos um elevador. Uma sirene soa solicitando o embarque para Myria Station. Estranho pois o nome de quem procuramos é Myria também. Os trilhos do elevador nos levam bem alto para Myria Station, num lugar onde há inimigos muito mais fortes. Passeio pra lá e pra cá até me deparar com uma câmara de gás onde dorme um bichão. Deixo ele pra depois e vou explorar o resto dos corredores. Há mais outro lugar para ir mas está bloqueado por uma planta que Ryu não consegue cortar. Volto pro bichão. Um dos personagens nota que há um cartão de acesso próximo à besta. Desligamos o gás e tentamos agarrar o cartão sem ser vistos. É, adivinha…o chefe se chama Chimera. Tem bastante HP mas fica nisso. Pego o elevador que ele bloqueava e ando até avistar baús atrás de uma porta trancada. Tem que usar Rei para abrir a fechadura. E volta pra caramba pra trocar o boneco. Pelo menos há uma cama com um diário em Myria Station. Entre os itens, há um que permite a Momo destruir plantas. Momo…
   Uma azeitona é o bastante para se livrar das plantas e já pode tirar a Momo se quiser mas tem que deixar Rei para abrir outra fechadura. Adiante pegamos um elevador que que sobe até um campo muito bonito, com árvore, pássaros e flores. Dentro de uma estação de alta tecnologia. Lá fica um cara com um longo cabelo roxo. O mesmo que lhe falou em sua mente quando você derrotou Garr em Angel Tower. Bem óbvio, não? Ele é ninguém menos que Teepo. Ele saúda Ryu e ignora a alegria de Rei em vê-lo vivo. Ele conta que quando foram atacados por Balio e Sunder há 10 anos, ele ainda ferido conseguiu escapar mas se viu transformado num bebê dragão. Foi então que descobriu que ele também era parte da Brood. Teepo foi acolhido por Myria e, naturalmente, enxerga as coisas com os olhos dela. O poder da Brood é, basicamente, forte demais para existir e por isso Myria decidiu extinguir os dragões. Teepo pede que Ryu abandone seus poderes e viva com ele junto à Myria pois somente ela tem a sabedoria e o direito de governar o planeta. Ryu recusa. Teepo se irrita e fala que vai obrigar Ryu a desistir de seus poderes. Ele usa uma mágica que prende Ryu dentro de sua própria mente. Uma voz diz que ele não conhece de verdade seus amigos e suas razões para ajudá-lo. Ryu acha o caminho no meio do escuro, encontrando seus amigos e ouvindo o que eles pensam e porque estão lá, inclusive ele mesmo. Essa parte lembra muuuuuuuuuito Breath of Fire 2 quando Ryu precisa sacrificar um amigo para adquirir o Anfini. Bem, após falar com todos Ryu é confrontado por Teepo. Ele ainda não vai entregar seus poderes. Teepo se enfurece e vai embora, deixando um monstro para se livrar de Ryu. Arwan é um chefe bem fácil. Ryu escapa e volta para a área anterior. Teepo está muito decepcionado, não queria que chegasse a esse ponto. Diz que ele não morreria mas somente ficaria sem poderes. Já que é assim, no entanto, ele não tem escolha a não ser matar Ryu. O jogo deixa você escolher sua equipe de novo (ainda bem!) e entra o Dragon Lord. Parece que a maioria das pessoas condordam que este chefe é bem dificíl mas pra ser honesto achei bem fácil. Talve seja porque eu esteja num nível mais alto do que o esperado nesta área para um primeiro playthrough. Em seu último suspiro, Teepo ainda dá razão à Myria mas deixa Ryu saber que tudo o que ele queria era voltar para quando eram só eles dois e Rei. Nenhuma comoção por parte de ninguém pela morte dele :(
   Pegamos o cartão de identificação para a próxima área de Myria Station que Teepo deixou cair. Mais inimigos novos aqui. Passando pelos corredores, chegamos numa área onde muitos chefes antigos reaparecem, às vezes multiplicados. Três Nue, Angler, dois Ammonite, três Stallion, entre outros. Descemos uma escada que dá num corredor selado por uma enorme porta. Honey toma a dianteira e abre o portão. Parece que ela é um dos robôs guias da estação e por isso tem livre acesso. Pegamos um elevador e descemos vários andares, o que é bem parvo já que pra chegar aqui pegamos um elevador que subiu quase até o céu. No corredor, uma mulher nos recebe dizendo que serve à deusa e que a mesma nos aguarda. Atravessando a última área, sou lembrado pelas outras servas e por computadores de que Myria só queria se certificar que o mundo seguisse um rumo seguro e de como ela sempre protegeu o planeta da criação de máquinas perigosas, de armas e, claro, da Brood. Chegamos a ela. Depois de conversar, Myria dá a Ryu a opção de desistir de seus poderes e deixar o mundo aos seus cuidados ou não. Escolher a primeira opção resulta no final ruim. Que por sinal é bem ruim. Ou você pode levantar sua espada e enfrentar Myria. Bem, está é a última luta e devo dizer que foi DECEPCIONANTE. Myria é escrotamente fácil. Ela tem todas as magias mais fortes do jogo, como Myollnir e Sirocco, bem como Sanctuary. Evil Eye é chatinho pois causa paralizia mas a mágica mais pentelha é mesmo Venom, que causa confusão, cegueira e veneno em todos. Ela também tem muito HP mas com Ryu morfado em Kaiser tacando Shadowalk direto foi até rápido. Hora de se recostar e apreciar o final bom. Que é uma grande porcaria também…epa peraí…essa música de encerramento é foda! Finalmente uma música memorável nesse jogo…
   Agora é salvar e me preparar para Breath of Fire IV.

 

——————- JUMBO FRANCISCO ————————

   The Black Ship has actually few areas to be explored. In the part with the crane there is a spot that always makes Emurayden freeze, I was forced to reset but at this point I was already prepared and made a save before. However, this save was freezing right after loading. That is, I was completely stuck and the only apparent exit was restarting the game. If that was the only way I would have sincerely given up. I thought later in using the copy of the Memory Card, I aways make a copy from time to time. This would make me backtrack a lot but it would be better than starting over. Thankfully it wasn’t necessary since I figured how to bypass the freeze. We get to the bridge and only Momo is able to understand the controls. Someone in the game’s development must like Momo A LOT, this isn’t the first nor the second time I am forced to use her. Which is slightly sucky because Momo is a character I definitely don’t want to use. I know I want to use Peco but haven’t decided on the third. Garr is strong and balanced, Rei is quick and has Weretiger but has low defenses, Nina is the only one whom has magic and is speedy but is very weak in everything else. I’ll probably take Garr but it still not decided. Now that Momo figured how the panel works, I have to play yet another boring and stupid mini-game. I have to take the lift down, see what number is shown on the Boost Counter and warn Momo when it gets to 100. It keeps counting while I walk but it is actually easy because it still beeps for every count. It seems it doesn’t need to be exactly 100 because I lost count in the middle but got it first try. We wait for the ship to arrive. An alarm rings, there is something in the nose. We go to check it out and stumble upon the Ammonites. Not friendly. You can take some steps back and have the ship’s turrets help in the battle but I messed it pretty quickly and didn’t have help. Almost died.
  At the other continent, I dock in Kombinet. In this city the people use robots to load ships with machinery pieces. The area in this land is very arid, its few trees are dry as rock. Ahead there is an Yggdrasil grove where I find the Trance gene. To the north I come to a place called Colony. It is a building that resembles Angel Tower, except it is very battered and there is an antenna spining at its center. One of the characters wonders what could it be and suggests Momo might find out. See what I am talking about? Momo again. She figures the machine, it is a teletransport like the one in Wyndia castle. I need to activate it using some reflectors first so an energy beam reaches the engine. In this room I also pick up the Failure gene. The machine takes us back to Urkan Tapa! All that work to cross the sea in vain. There must be a way to make it work backwards. I climb to the top of the antenna and turn the transport back on. Now I can travel to many places: Colony, Dragnier, Container Yard and Relay Point B (I am on A). Container Yard is a small depot that holds the Radiance gene. Relay Point B is the underground of Wyndia and from there I can go to Dauna Region, Yrall Region, Wyndia and Relay Point A. Dauna region leaves you under the master Emitai’s house; Yrall Region in the basement of a cottage between McNeil and the valley that leads to Ogre Road; Wyndia takes you to Durandal’s house, behind the castle.
   Dragnier is the city where the last members of the Brood live recluse. Upon seeing people exiting the teletransport room, they put up a great party. The patriarch explains that, many years ago, to flee from the war, they gave up their powers and hid. Those who didn’t either died or burrowed underground. The heroes eat the banquet and sleep. You cannot deny there is a strange atmosphere around Garr. Weird that the dragon prince, Ryu, have brought with him the sworn enemy of the Brood. On the next day, the patriarch warns Ryu the Elder wants to have a word with him. He is an very old guy whom still remembers the great war. A little history lesson on the clash between Myria and the Brood, which has been happening since always. He talks to Ryu, Garr and Nina. Then he wants to talk to Ryu again. The boss battle here becomes quite obvious so I exit to train a little. To west of Dragnier there is the Factory. A bunch of ramps outside and technology inside. It is not complicated but has some nasty enemies, starting with the EggGang. This little duder can turn you into an egg, rendering you nuliffied. You can revert it with Remedy or Panacea but coming two of them in the same enemy party can be very troublesome. If everyone become an egg it is Game Over since the status doesn’t wear off. At least you recover all HP and AP if you’re an egg upon the end of the fight. I wonder if it was on purpose. On the other side of the Factory lies a desert I can’t tresspass at the moment so let us go back and confront the Elder.
   He says to Ryu that he has longed for the day in which would come someone to whom he should bestow the power of the Brood he bears. He invites Ryu to take it from him. In this fight, Ryu can’t turn into a dragon because of the place’s walls are enforced with a magical force that inhibits the powers of the Brood so Myria doesn’t find them. Contradicting that, the Elder morphs into an huge dragon to beat me up. He possess a great physical strenght and some pretty gross spells but I best him without much problems. In his last gasp, he tells Ryu that he now will have all the power of the Brood, the power Myria is right to fear. The Elder vanishes leaving the last gene, Infinity. The patriarch tells we have to cross the desert to get to Myria.
   A man named Horis guides us there. To walk without geting lost I need to follow the stars well. Once in a while I have to have some water and whenever it is day I must camp to save my strenght. If I get lost I may use the rakda (an animal akin to camels) to return to the starting point. Down the road the team decides to climb a hill as to have a better view of the area. The hill happens to be Manmo. Here comes a boss. Whom only annoys because of Howling, an attack that causes confusion in everyone. He closely resembles BoF2′s Mammoth. After him, Nina falls to insolation meaning we cannot proceed with her in this condition. In a rare moment of true manlyness, Ryu slays the rakda. Its meat has some cool properties it seems. Nina recovers a little and we tatteredly arrive in Oasis. The locals give us shelter and food. They know naught about God but know there is an abandoned city near Oasis: Caer Xhan.
   Caer Xhan has an futuristic feel, though in ruins. There is no living soul except for the two robots that run the Item and Weapon shops. Except robots aren’t "alive". Bleh. We go onwards until we activate an elevator. An alarm echoes asking the boarding to Myria Station. Strange, the name of whom we seek is also Myria. The rails take us very high to Myria Station, where there are much stronger enemies. We go from here to there and to that other place when we come to a gas chamber where sleeps one big monster. I leave it at that for now and go search the remaining corridors. There is this other place but it is blocked by a plant that Ryu can’t cut. Back to the big monster. One of the characters notices there is a keycard next to the beast. We turn the gas off and try to grab the card without being seen. Yeah, guess…the boss is called Chimera. Has a lot of HP but that’s about it. I ride the elevator it blocked and walk until I can see a chest behind a locked door. You have to use Rei to pick the lock. And backtrack a good deal to change characters. At least there is a bed and a diary in Myria Station. Among the itens, there is one that allows Momo to destroy plants. Momo…
   One bullet is enough to get rid of the plant and you can sub Momo if you want but you have to take Rei to open other lock. Ahead we take an elevator that goes up to a very beautiful field, with trees, birds and flowers. Inside a high technology facility. There stands a guy wiht long, purple hair. The same that beckoned you in your mind after you defeated Garr in Angel Tower. It is pretty obvious, isn’t it? He is no other than Teepo. He greets Ryu and ignores Rei’s joy in seeing him alive. He lets us know that when they were attacked by Balio and Sunder 10 years ago, he still wounded managed to escape but found himself in the body of a baby dragon. That’s when he discovered that him too was part of the Brood. Myria took Teepo in so he naturally sees things behind her lenses. The power of the Brood is, basically, too big to exist so Myria decided to extinguish the dragons. Teepo asks Ryu to give up his powers and live with him along Myria for she is the only to have the wisdom and the right to run the world. Ryu refuses. Teepo becomes mad and will force Ryu to do it. He casts a spell that traps Ryu inside his own mind. A voice says he doesn’t really know his friends and his reasons to help him. Ryu finds his way in the dark, meeting his friends and listening to what they think and why they are there, including himself. This part is veeeeeeeeeery akin Breath of Fire 2 when Ryu needs to sacrifice a friend in order to adquire the Anfini. Well, after talking with everyone Ryu is confronted by Teepo. He still won’t give up his power. Teepo gets furious and leaves a monster to dispose of Ryu. Arwan is a pretty easy boss. Ryu escapes and returns to the previous area. Teepo is very disappointed, he didn’t want it to get to this point. He says Ryu wouldn’t die but only become powerless. But if is that so, however, he has no choice but to kill Ryu. The game lets you choose your party members again (thankfully!) and enters Dragon Lord. It seems that the majority of people agree that this boss is very hard but to be honest I think he is easy. Maybe because I an on a higher level than expected for this area in a first playthrough. In his last breath, Teepo still sides with Myria but lets Ryu know that all he wanted was to go back to when it was just the two of them and Rei. No comotion by anyone over his death :(
   We pick up the key card for the next area of Myria Station that Teepo droped. More new enemies here. Going through the corridors, we arrive in an area in which a lot of old bosses show up, sometimes multiplied. Three Nue, Angler, two Ammonites, three Stallion, among others. We climb down a ladder that leads to a corridor sealed by an enormous door. Honey steps ahead and opens the gate. It seems she is one of the guide robots of the station so she has free access. We take an elevator down several floors, which is very dumb since to come here we took and elevator up almost to the sky. In the corridor, a woman greets us saying she serves the goddess and that she awaits us. Crossing the last area, I am reminded by other serfs and by computers that Myria only wanted to make sure the world followed a safe route and how she always protected it from the creation of dangerous machines, weapons and, of course, the Brood. We reach her. After chating, she gives Ryu the option to abandon his powers and let the world under her care or not. Choosing the first option results in the bad ending. That is very bad. Or you may rise your sword and fight Myria. Well, this is the last battle and I must say it was DISAPOINTING. Myria is mindlessly easy. She has the game’s strongest spells such as Myollnir and Sirocco, also Sanctuary. Evil Eye kind of bugs you because it causes paralysis but the most troublesome spell is certainly Venom, that causes confusion, blindness and poison in everyone. She also has a lot of HP but with Ryu morphed into Kaiser throwing Shadowalk repeatedly it was fast even. Time to lay back and enjoy the good ending. Which sucks too…hey wait a second…the ending music fucking rocks! Finally a memorable tune in this game…
  Now it is time to save and prepare for Breath of Fire IV.

Publicado em Jogos | Deixe um comentário